Évora e Reguengos de Monsaraz (1 dia) en

125 Euros

Passeio de enoturismo que nos leva ao centro histórico de Évora (1) , cidade Património Mundial da UNESCO (a 134 kms de Lisboa), com paragens em vários monumentos importantes da cidade, como o Templo Romano e a Capela dos Ossos. Seguimos viagem para Monsaraz (2), vila medieval cercada de muralhas, onde almoçaremos com uma vista magnífica sobre o Grande Lago do Alqueva (a 172 kms de Lisboa). Será serviço um vinho tinto DOC de Reguengos a acompanhar a gastronomia tradicional alentejana. Após conhecermos esta vila, iremos à aldeia de S. Pedro do Corval (3), a localidade com maior concentração de oleiros em todo o País (35), para vermos uma oficina tradicional de oleiro. Segue-se uma paragem para observarmos o Menir da Rocha dos Namorados, ligado a um engraçado culto pagão de fertilidade. Antes do regresso a Lisboa vamos a uma adega produtora de vinho de Reguengos de Monsaraz (4), Capital Europeia do Vinho de 2015, para uma prova de vinhos e visita à adega.

1. Depois de cerca de hora e meia de percurso desde Lisboa, no qual poderá observar uma paisagem típica mediterrânica em que predominam os pinheiros mansos, os sobreiros e as oliveiras, chegamos a Évora, cidade com um centro histórico rodeado de muralhas. No seu interior visitaremos o Templo Romano (séc I) dedicado ao imperador Augusto, a Sé Catedral de Évora (edifício gótico do séc. XIII-XIV), a Igreja de São Francisco (estilo gótico, mudéjar e manuelino, séc. XV-XVI) e a Capela dos Ossos (séc. XVI-XVII, decorada com ossos humanos). Ao longo do caminho poderá apreciar outros monumentos e locais importantes da cidade, como o Aqueduto da Água de Prata (séc. XVI), a Universidade (séc XIV), o Palácio dos Duques de Cadaval, a Praça do Giraldo e a cintura de muralhas.

2. Depois do almoço em Monsaraz, vila medieval erguida sobre uma antigo castro da Idade do bronze e do ferro, subimos ao seu castelo fundado por D. Afonso III no séc XIII, de onde se aprecia uma vista magnífica sobre o Grande Lago do Alqueva. Localizado no cimo dum monte, o castelo tinha a função de sentinela sobre o rio Guadiana e o reino vizinho de Castela. Antiga vila templária, Monsaraz teve sempre um papel estratégico importante, primeiro contra os mouros e depois contra os castelhanos, tendo as suas muralhas sido reforçadas no âmbito da guerra da restauração (1640-1668) para resistir aos tiros de artilharia castelhana. Ao longo da história, porém, esta vila foi tomada diversas vezes pelos inimigos. Percorreremos as velhas ruelas enquanto apreciamos a arquitectura típica da vila, onde está patente o uso de vários tipos de pedra da região: basalto, xisto, granito e mármore de Estremoz. Espreitaremos a velha cisterna medieval de armazenamento de água e entraremos na Igreja Matriz de Santa Maria da Lagoa (sec XVI), erguida sobre um templo renascentista. Aqui podemos ver os altares de talha dourada e o túmulo gótico do primeiro alcaide da localidade, um cavaleiro templário do séc XIII, Gomes Martins, representado numa bela estátua jacente.

3. De volta à estrada paramos numa olaria tradicional de S. Pedro do Corval, onde poderá adquirir uma recordação típica alentejana, feita em barro moldado à mão. Em seguida, passamos pelo Menir da Rocha dos Namorados, que está associado a um ritual pagão de fertilidade que ainda hoje se pratica - segundo a tradição local, na segunda-feira após a Páscoa, as raparigas namoradeiras devem atirar uma pedra ao menir; se lá ficar significa casamento dentro de um ano, mas se a pedra cair significa mais um ano de espera;

 

4. Antes do regresso a Lisboa, iremos a uma adega típica de Reguengos de Monsaraz, a Capital Europeia do Vinho de 2015, para uma visita e prova de vinhos. Esta região é conhecida por ter uma forma de conservação do vinho única no país, em grande recipientes de barro, as talhas, armazenados abaixo do nivel do solo. A este néctar é dado o nome de "vinho da talha". A Adega José de Sousa, que visitaremos, produz vinho da talha desde 1878, mantendo uma tradição iniciada pelos romanos há mais de dois mil anos. Possui também dois lagares de pisa a pé, utilizando ainda várias técnicas de vinificação tradicionais, como no caso do vinho Ripanço, em que os cachos de uva são manipulados à mão.  Ao mesmo tempo a adega possui modernas cubas de inox e barricas de madeira, para fermentação e estágio de vinhos. Numa zona museu está exposto um menir com milhares de anos.  

Duração: 
8-9 horas
Deve levar: 
Sapatos confortáveis de sola aderente, roupa adequada à estação. No verão deve trazer óculos de sol, protetor solar e chapéu.
Condições: 
Drop in/drop off; transporte em carrinha de 9 lugares com ar condicionado; queijadinha de Évora; prova de vinhos; garrafa de água; motorista/ guia; acompanhamento em língua inglesa, francesa e portuguesa.
Fotos: 
Mário Santos; CM Reguengos de Monsaraz